Obturar falando feat. Rita Azevedo

Bob Marley afirma em canção que o sorriso é a curva mais bonita de uma mulher. Se por um lado a beleza e inteligência (nalguns sectores da sociedade) estão em pessoas distintas, a verdade é que a nossa convidada tem tudo isso e muito mais. Rita Azevedo cresceu em Espinho, a primeira vez que nos cruzámos foi num campo de voleibol na nave polivalente, usava uma trança, o número 14 e um sorriso cativante. Pouco tempo depois percebi que se tratava de alguém com coração bom, com sentido cívico e tigre a 100%. 

Quase a terminar o caminho universitário na Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto, abraçou uma causa a muitos quilómetros de casa: Ongata Rongai no Centro Wanalea no Kenya. Tem sonhos mas depois desta aventura precisava de mais tempo para responder. Aquilo que convidamos o leitor/a é que perca muito tempo a ler a gratidão nos olhos de quem tem pouco e a tentar através das imagens conhecer um ser humano que detesta a mentira e vive apaixonada pela vida, pela MC e pelo cair do sol na esplanada. Sem mais demoras... aqui fica a nossa conversa.

Rita Azevedo na Reserva de Masai Mara

Obturar Falando (OF) - Rita, bem-vinda ao Obturador do Pensamento. Que esperas desta entrevista? Foi uma surpresa agradável o convite? 

Rita Azevedo (RA) - Olá, em primeiro lugar muito obrigada pelo convite, foi sim uma surpresa muito agradável. Mais do que relatar a minha experiência, gostava de conseguir sensibilizar as pessoas, ainda mais, porque na minha opinião, há muitas pessoas já envolvidas em causas muito nobres, relativamente aos meninos de África. Se acho que há em Portugal muitas formas de ajudar, sim, mas lá a pobreza é extrema e a mentalidade deles é muito diferente da nossa, o "trabalho" no terreno é muito importante.

OF - A primeira fotografia que te fiz e que me recordo bem é de tigre ao peito, com um rabo de cavalo e a sorrir num campo de voleibol. Como tens vivido o renascer do tigre? 

RA - Eu adoro essa fotografia! Está acontecer o que eu sempre desejei. Se eu não tive oportunidade de continuar a defender a camisola, espero que, no que diz respeito ao voleibol, as seniores femininas sejam muito felizes! Eu vou, com certeza, acompanhar de perto e festejar cada vitória como se fosse minha. Uma vez tigre, para sempre tigre! 

OF - Uma das "desculpas" para esta nossa conversa tem por definição uma entrega a uma causa. O voluntariado causou-te o misto de excitação e medo? 


Rita e os amigos de sempre do Centro Wanalea, Kenya

RA - Sim, foi isso mesmo que senti quando a vontade de ir se tornou numa realidade. A verdade é que me lembro de dizer à minha mãe que gostava de fazer voluntariado fora há muito tempo. Acho que sempre estive à espera de um momento certo e, penso que, a partir do momento que a Inês disse que ia comigo, eu soube que era o que me faltava. Porque a ideia de ir para longe, sozinha, deixava-me inquieta, não sabia como reagiria ao ver tudo o que vimos, sozinha, sem dúvida que foi uma segurança para mim, ir com uma amiga. 

OF - Imagino que o número de horas de voo até ao destino te deixou tempo para dormir e sonhar. Ainda te lembras em que pensaste quando a porta do avião se abriu em solo africano? Como foi a despedida em Portugal? 

RA - Quando percebi que estava a sobrevoar África senti uma alegria até estúpida (haha!) Quando cheguei a Nairobi era tarde, por volta das quatro e meia da manhã, apesar disso e dos três voos estava muito entusiasmada, lembro-me de pensar "agora sim, é real, estou aqui!". Não gosto de despedidas, prefiro na altura dizer "até já" e "gosto muito de vocês" rapidinho, porque felizmente a internet facilita a distância. Mas claro, antes de ir, fiz por estar com as pessoas de quem mais gosto. 

OF - Quanto tempo durou essa aventura? Em que região estiveste?

RA - Estive cerca de três semanas em Ongata Rongai, Kenya. Numa zona denominada Rimpa, num centro, o Centro Wanalea. 






OF - O arrependimento é a confirmação tácita de que fizemos algo que não deveríamos ter feito. Algum momento nessa experiência que desejaste não estar ali? 

RA - Não, nunca senti.

OF - O que mais te apaixonou naquelas pessoas?

RA - A felicidade que demonstram tendo tão pouco, e, não me estou a referir a bens, mas sim, ao facto de muitos não terem família e de nem saberem de onde vieram. 

OF - Bob Marley diz que o sorriso é a curva mais bonita de uma mulher. Imagino que o do sorriso de uma criança em África e um abraço à chegada não tem preço. 



Os sorrisos que não deixam ninguém indiferente!

RA - (Haha, boa citação!) . Realmente não tem, estava à espera que fossem simpáticas, mas na verdade são calorosas, e, de uma simplicidade apaixonante. 

OF - Um pôr-do-sol em África substitui um final de tarde em Espinho?

RA - Não. A ideia de final de dia para mim é o sol a pôr-se no nosso mar. Mas recomendo vivamente um início de dia, um nascer do sol, em África. 





OF - Quase a terminar medicina dentária. Se Portugal fosse um doente que descobririas no raio x?

RA - "Cáries", algumas bem graves, mas felizmente tratáveis. Somos uns sortudos!

OF - Num mundo competitivo e recheado de intrigas, o que te tira do sério? 

RA - Mentiras, omissões ou até falta de frontalidade. Não gosto que me "enrolem". Prefiro ouvir alguma coisa que não vá gostar, do que posteriormente descobrir que afinal não foi bem como me disseram. 

OF - Diz-se que um sonho sem acção é fantasia. De todos os sonhos qual esperas ver realizado a curto prazo?

RA - Com esta viagem ao Kenya, concretizei um sonho. Preciso de mais tempo para escolher o próximo, não consigo responder agora. 

OF - Imagino que tenhas levado contigo objectos que te dizem muito. Sem querer entrar na privacidade, o que não te perdoarias de ter esquecido? 

RA - Três fotografias físicas das pessoas de quem mais gosto, ando com elas para todo o lado.



OF - Que canções ecoaram em ti durante o dia longe de casa?

RA - Sinceramente dei por mim a cantarolar as músicas que os meninos do centro ouviam, nomeadamente a "Good Life - G Easy & Kehlani", até porque repetiam e repetiam as mesmas ao longo do dia (haha!). Mas nos meus momentos "The Blower´s Daughter" - Damien Rice.

OF - Se tivesses que dar um título a esta experiência qual seria? 

RA - "Mararafiki" - significa amigos em "Swahili" a língua oficial do Quénia. Foi o Scott, um menino de sete anos que me ensinou e faz sentido, porque durante três semanas criaram-se laços e eu senti-me uma pessoa próxima de todas as pessoas do centro, e, vou preocupar-me para sempre com eles. 



NÃO É UM ADEUS... 
É UM ATÉ JÁ!











Share:

0 comentários