Recados antigos - 13

Tempo
Que levaste sonhos e promessas 
Volta e deixa viver 
Aqueles momentos sem pressas 

Deixa-me perder 
Em braços teus 
Recolhe os pedaços 
De momentos meus 

Oh tu! 
Que cedo demais partiste 
Não vês o que causaste? 
Deixaste-me triste

Oh tempo 
Pára! Volta para trás
Não foi esse o caminho 
Que escolhi, para alcançar paz 

Traz na tua bagagem 
Pedaços de fotografias 
E algo mais para alegrar 
A minha e outras tantas vidas

Acho que faltou 
Guardar ou contar 
Um segredo, uma história 
Que tive mesmo para te contar 

Tomara que quando chegues 
Te possa de novo abraçar 
E contar... 
Um segredo singular 

Porque tiveste de partir? 
Gostava tanto de te ter aqui 
A meu lado 
Para voltar a sentir...

Diz! Vou-te buscar 
Seja a que horas for 
Pois nada mais quero 
Querido tempo 

Do que recuperar o meu Amor 

Nada mais tenho 
A dizer ou acrescentar 
Vou ficar fechado no mundo
Até ao momento invulgar 

Impensável...
Que não pensei realizar 
Adormecer no teu tempo 
Para voltar a acordar 

Num recente passado 
E roubar ao tempo 
Tudo aquilo 
Que ele terá levado 

Não deixarei nada 
Mesmo nada, por dizer 
Diz-me que posso ser teu 
Sê-lo-ei até ao dia nascer 

Acorda-me 
Assim que estiveres a chegar 
Abrirei os braços 
Para nunca mais te largar. 

P.S) A quem viveu por metade aquilo que julgou ser um Amor Verdadeiro (a tempo inteiro). A quem chorou em pouco mas saíu como um Guerreiro, de CABEÇA LEVANTADA! 

Francisco Milheiro 
21 de Julho 2011

Share:

0 comentários